terça-feira, 10 de abril de 2018

Ver

Rafael . Cappella di San Severo (1505 /1508)

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Da ética

A thing is right when it tends to preserve the integrity, stability and beauty of the biotic community.  It is wrong when it tends otherwise.
 - Aldo Leopold - ‘Land Ethic’ 1949

quinta-feira, 15 de março de 2018

Desobediência civil II

A desobediência civil é um direito intrínseco do cidadão. Não ouse renunciar, se não quer deixar de ser homem. A desobediência civil nunca é seguida pela anarquia. Só a desobediência criminal com a força. Reprimir a desobediência civil é tentar encarcerar a consciência.

Gandhi

Desobediência civil

Será que o cidadão deve, por um único instante ou em última instância, renunciar à sua consciência a favor da legislação? Porque possui então o homem uma consciência? Eu acredito que primeiramente devemos ser homens, e só depois subalternos. Não é mais desejável cultivar um respeito pela lei do que pelo correcto. A única obrigação que tenho direito de assumir é fazer a qualquer momento aquilo que julgo certo.
Henry David Thoreau (1817-1862) . "A Desobediência Civil - Defesa de John Brown"

Sobre aquela estupidez do corte de árvores à volta das casas e das aldeias, agora não me ocorre mais nada.

Artemisia Gentileschi . Jael and Sisera (1620)

sábado, 3 de março de 2018

Aos que vierem depois de nós



Anton Tchekhov: Tio Vânia (1897)

quinta-feira, 1 de março de 2018

Inverno




segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Em defesa das árvores

Partout où l'arbre a disparu, l'homme a été puni de son imprévoyance. 
Chateaubriant (1768 - 1848)

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Sentir

Sentir é criar.
Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o universo não tem ideias.

-Mas o que é sentir?
Ter opiniões é não sentir.
Todas as nossas opiniões são dos outros.
(...)
O sentimento abre as portas da prisão com que o pensamento fecha a alma
(...)
Que as tuas sensações sejam meros acasos, aventuras que te acontecem.

Fernando Pessoa . " Páginas íntimas e de auto-interpretação"

Arte urbana



quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Nas árvores



Diremos que se derrubam árvores por quatro razões principais, a saber:

primeira, porque quem o ordena não sabe que a árvore é uma criação perfeita que mantém sempre todas as suas admiráveis qualidades até morrer, e portanto não só toda a vida fornece sombra aos justos, como também, noutro sentido (figurado), faz sombra aos espíritos tacanhos que nunca conheceram qualquer forma de perfeição que seja e por isso se exasperam com inveja das árvores, só lhe querendo mal;

segunda, porque deitar abaixo uma árvore é fácil, rápido e flagrantemente reconhecível , o que dá ao derrubador a sensação de, com simplicidade, haver conseguido uma vez na vida ‘fazer alguma coisa que se veja’;

terceira, porque arrancar árvores introduz nos lugares de onde saem, imediatamente, um aspecto que, por não ser devido a elementos que levaram muito tempo a formar, por isso mesmo merece logo o título de novidade ou modernismo, sem preocupação ou reconhecimento se o que se acabou de fazer ficou melhor ou pior, mas que mitiga, entretanto, o prurido dos que confundem o corte de uma árvore com a ablação de um quisto enfadonho;

quarta e última, englobando ao mesmo tempo o mais mesquinho e o mais grave dos motivos : cortam árvores porque se pode então vender a sua madeira – prémio vil, mas muito superior ao pouco valor que se lhe atribui a mentalidade de quem as derruba;

e cortam as árvore porque nunca alguém lhes disse ou explicou o valor educativo que essa admirável criatura encerra».

Raul Lino . “Sintra: um teleférico e outras ratices”, 1962

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Dos cheiros


 Chelsea Physic Garden. Londres

Não imaginava que uma estufa de Pelargónios pudesse ser um lugar tão fascinante.


Dias inteiros