quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Mais uma vez


 Aquilegia
*

sábado, 10 de setembro de 2016

The wrong house

I went into a house, and it wasn't a house,
It has big steps and a great big hall;
But it hasn't got a garden,
A garden,
A garden,
It isn't like a house at all.

I went into a house, and it wasn't a house,
It has a big garden and great high wall;
But it hasn't got a may-tree,
A may-tree,
A may-tree,
It isn't like a house at all.

I went into a house, and it wasn't a house -
Slow white petals from the may-tree fall;
But it hasn't got a blackbird,
A blackbird,
A blackbird,
It isn't like a house at all.

I went into a house, and I thought it was a house,
I could hear from the may-tree the blackbird call…
But nobody listened to it,
Nobody
Liked it,
Nobody wanted it at all. 


A. A. Milne

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

As sequoias de Sintra são ainda umas meninas


Uma longa vida é o que lhes desejo do fundo do coração.

(Reparei agora que em todas as fotografias se podem ver jovens pitósporos, dadas as características invasoras  desta exótica todo o cuidado é pouco)

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Na quinta do Arneiro todos os caminhos vão dar à horta


Produzir alimentos biológicos é uma actividade maravilhosa e extremamente generosa. A quem dedica a vida a este tipo de agricultura temos que dar apoio, consumir os seus produtos, agradecer e desejar os maiores sucessos para que possam continuar.
A Quinta do Arneiro leva os produtos a casa, mas bom, bom é ir até lá...

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Civismo

A minha filha foi trabalhar para um banco em Londres, ontem o dia de trabalho foi passado num parque público a apanhar urtigas e outras infestantes, não foi castigo mas civismo. Toda a gente, mesmo quem passa a vida dentro de um escritório,  deve ter a noção do trabalho que dá cuidar de um jardim. Imagino que seja esta a ideia.  Uma boa ideia!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Manhãs assim

 Buddleja davidii

sábado, 20 de agosto de 2016

Passear

Num país onde as árvores estão constantemente em perigo é uma agradável surpresa reencontrar árvores que conhecemos desde sempre.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Coisas



quinta-feira, 30 de junho de 2016

Um choupo que já não existe

Populus nigra (Lisboa . Av. Fontes Pereira de Melo)
Absurdamente abatido para construir uma ciclovia...

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Das árvores que eu vi nascer (12)

Um dragoreiro que já por aqui passou. E a constatação de que às vezes os dragoeiros crescem o mesmo do que as filhas.

As minhas rosas


Tempos estranhos estes que vivemos, em que o título de uma mensagem não diz necessariamente respeito ao seu conteúdo.